Bullyng

O BULLYING NA ESCOLA

Bullying acontece frequentemente na escola. Brincadeiras, piadas e apelidos que agridem o jovem por causa de uma deficiência ou por ele ser tímido e não participar dos grupos sociais da escola são exemplos de Bullying. A responsabilidade de resolver esta situação é de toda a comunidade escolar: principalmente dos professores e dos pais que devem explicar as diferenças existentes entre os indivíduos.

Para esclarecer melhor o que vem a ser Bullying, resolvi inicialmente falar sobre o significado dessa palavra, portanto,Bullying é um termo em inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos diversas vezes, praticados por uma pessoa (bully – valentão) ou grupo de indivíduos, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa (ou grupo de pessoas) incapaz de se defender. Diz Fante (2005, P. 62-63) que:

[…] o bullying começa frequentemente pela recusa de aceitação de uma diferença, seja ela qual for, mas sempre notória e abrangente, envolvendo religião, raça, estatura física, peso, cor dos cabelos, deficiências visuais, auditivas e vocais; ou é uma diferença de ordem psicológica, social, sexual e física; ou está relacionada a aspectos como força, coragem e habilidades desportivas e intelectuais.

A prática do Bullying era tida como normal décadas atrás e essa nomenclatura nem era utilizada pelos adultos que consideravam como brincadeira de criança. Não se preocupavam com as consequências que isso poderia acarretar para a criança ainda em formação.

As consequências para as “vítimas” desse fenômeno são graves e abrangentes, promovendo no âmbito escolar o desinteresse pela escola, o déficit de concentração e aprendizagem, a queda do rendimento, o absentismo e a evasão escolar. No âmbito da saúde física e emocional, a baixa na resistência imunológica e na autoestima, o stress, os sintomas psicossomáticos, transtornos psicológicos, a depressão e o suicídio.

Para os “agressores”, ocorre o distanciamento e a falta de adaptação aos objetivos escolares, à supervalorização da violência como forma de obtenção de poder, o desenvolvimento de habilidades para futuras condutas delituosas, além da projeção de condutas violentas na vida adulta. Para os “espectadores”,que é a maioria dos alunos, estes podem sentir insegurança, ansiedade, medo e estresse, comprometendo o seu processo socioeducacional. (FANTE, 2000).

A participação dos educadores e dos responsáveis por esses educandos é fundamental para detectar, logo no início, as modificações no comportamento do jovem que sofre e prática o Bullying, para averiguar a raiz do fato que está levando a tomar certas atitudes.

A família tem que se integrar a escola participando das reuniões, de projetos pedagógicos, da atividade extraclasse para participar do processo de construção do caráter de seu filho, pois é ela quem mostra a sociedade à criança e como ela deve interagir com mundo.

A família deve, portanto, se esforçar em estar presente em todos os momentos da vida de seus filhos. Presença que implica envolvimento, comprometimento e colaboração. Deve estar atenta a dificuldades não só cognitivas, mas também comportamentais. Deve estar pronta para intervir da melhor maneira possível, visando sempre o bem de seus filhos, mesmo que isso signifique dizer sucessivos “nãos” às suas exigências. Em outros termos, a família deve ser o espaço indispensável para garantir a sobrevivência e a proteção integral dos filhos e demais membros, independentemente do arranjo familiar ou da forma como se vêm estruturando (KALOUSTIAN, 1988).

A observação tem que ser feita pelos pais e professores da criança e do adolescente . É necessário verificar se o desempenho da criança mudou, se ela perdeu o interesse em ir à escola ou até mesmo as atitudes dos colegas de classe para com ela. A criança pode ter crises de choro, se isolar e perder a comunicação com outras pessoas. Em entrevista cedida à Revista Crescer, Jenny Alexander diz que:

Os sinais podem ser físicos, como marcas roxas, cortes ou danos nos pertences dele, como também dores de cabeça, de estômago e insônia. Também podem ser sociais (ele reluta em convidar amigos ou em ir à escola) e psicológicos (ansiedade, raiva e depressão). Na maior parte dos casos, é uma mistura dos três. Mas a única maneira de ter certeza absoluta é ver com os próprios olhos ou ouvir dele mesmo. Pode acontecer com qualquer criança, mas elas costumam ser mais vulneráveis quando estão vivendo algum tipo de estresse em casa.

A conduta da criança agressiva, ou seja, do agressor, pode ser reflexo dos acontecimentos de violência vivenciados em sua casa, ou mesmo reflexo por sofrer agressões de crianças maiores, sendo uma forma de demonstrar o que esta sentindo, virando assim um circulo vicioso. Por isso é importante à intervenção da escola e da família para quebrar esse circulo. Já os perseguidos são aqueles que têm algum problema físico ou até mesmo de aprendizagem em relação aos colegas de sala, recebem as agressões de forma passiva.

Ver comentários em: http://petpedagogia.blogspot.com.br/2012/07/o-bullying-na-escola.html

Referências:

ECHEVERRIA, Malu. Ajude seu filho a lidar com o bullying. Disponível em: <<http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI116816-15151,00.html>>. Acesso em 19 nov. 2010.

FANTE, Cleodelice A. Z. O Fenômeno Bullying e suas Consequências Psicológicas. Disponível em: <<http://www.psicologia.org.br/internacional/pscl84.htm>>. Acesso em: 02 nov. 2010.

FERREIRA, Juliana M.; TAVARES, Helenice M. Bullying no Ambiente Escolar. Disponível em: <<http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/802-4.pdf>>. Acesso em: 02 nov. 2010.

GOMES, Luiz Flávio; SOUZA, Áurea M. F. Bullying: Agressões cada vez mais intensas entre estudantes. Disponível em: <http://www.jusbrasil.com.br/noticias/2230378/artigo-do-dia-bullying-agressoes-cada-vez-mais-intensas-entre-estudantes>. Acesso em: 02 nov. 2010.

HÜLSENDEGER, Margarete J. V. C. A importância da família no processo de educar. Disponível em:<<http://www.espacoacademico.com.br/067/67hulsendeger.htm>>. Acesso em: 19 nov. 2010.

SILVA, Geane de Jesus. Bullying: quando a escola não é um paraíso. Disponível em:. Acesso em: 02 nov. 2010

WIKIPEDIA. Bullying. Disponível em: <<http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying>>. Acesso em: 02 de novembro de 2010.

Crédito da imagem: Google Images

Anúncios
Esse post foi publicado em Posts 2009 - 2013. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s